Overclock

Conheça annaEX, entrevista exclusiva com jogadora do MIBR

Ana Carolina ‘annaEX’ Britto, residente de Itabirito no interior de Minas Gerais, é formada em Eletrotécnica com ênfase em Automação Industrial, além de possuir diploma em engenharia elétrica. Já passou por diversos times profissionais de Counter Strike, como a Fox e-Sports, Team Wild, Imperial Esports, paiN Gaming e hoje se encontra no elenco feminino do MIBR. Dentre seus títulos, conquistou o primeiro lugar na Liga Feminina GC de 2018, foi campeã da WESG Brazilian Qualifier 2020 e mais recentemente venceu a final contra a Fúria no primeiro split da GRRRLS League 2021. 

Quando você começou a jogar CS? 

Eu jogo CS há bastante tempo. Comecei no CS 1.6 e sempre joguei por diversão, desde o comecinho do CS:GO em 2013. Tive muitas pausas, mas sempre jogava por brincadeira mesmo. Até que aceitei participar do primeiro time, depois de muita insistência. Ainda assim só jogava para me divertir, mas gostei tanto que nunca parei. Sou extremamente competitiva, desde sempre pratiquei esportes. Joguei futsal e fiz taekwondo por muito tempo. Nesses esportes sempre competi também, como o campeonato mineiro e alguns regionais, e só tive uma derrota na carreira lutando. Em 2017 entrei para o primeiro time profissional, considero assim porque foi nesse ano que comececi a representar uma organização grande, a Progaming. Nesse mesmo ano disputei dois campeonatos presenciais, o GGRF, no Rio de Janeiro, e depois o Greenk Tech Show em São Paulo.

annaEX disputando campeonato presencial pela Progaming Esports

 

De onde veio o nick annaEX?

Eu jogava somente como Anna, e achava muito sem graça. Nessa época, em 2015, acompanhava bastante o apEX e curtia o estilo dele. Aí pensei bem e coloquei o EX por causa do jogador apEX. 

Você possui diploma em dois cursos superiores. Como você fez para conciliar sua vida acadêmica com o CS? Você teve apoio dos familiares quando decidiu seguir a carreira de pro player?

Me formei em 2018, e sempre conciliei treinos com faculdade e trabalho. Tinha aulas presenciais todos os dias quando joguei pela RPG e pela Wild. Sempre joguei independentemente de apoio familiar, mas meus pais nunca foram contra. Hoje em dia, todos torcem e me acompanham. Minha mãe não assiste, mas meu pai gosta bastante. Meu irmão e meu esposo também acompanham muito. Mas é importante reforçar que nunca deixei de estudar ou ter uma formação para jogar CS. Sempre me adaptei, na época de faculdade, trabalho e treino eu dormia bem pouco. Não recomendo (risos).

Em 2019 acabou o meu contrato de emprego e desde então me dedico 100% ao CS.

Você joga junto com a bokor, que ainda é estudante do ensino básico. Qual dica você daria para as meninas que estão começando a jogar e sonham em ser pro players?

A minha dica é que dá para conciliar tudo, basta se dedicar e se organizar. É aquele ditado, quem quer arruma um jeito. Eu queria muito competir, então dei meu jeito. 

Como você enxerga o cenário de CS feminino profissional?

Vejo como um start. Em 2020 tivemos bons campeonatos incluindo GC Masters Feminina, e estamos dando continuidade agora em 2021, principalmente com o GRRRLS League que possui muito investimento e uma premiação muito alta.

Qual o seu maior desafio como jogadora de CS? E qual foi o seu momento de maior glória?

Meu maior desafio é literalmente viver um dia de cada vez e aproveitar cada momento, seja nos treinos ou campeonatos. Tive vários momentos que considero de glória, desde representar algumas organizações e até alguns títulos, mas acredito que uma das minhas maiores conquistas foi ser anunciada pelo MIBR com o clipe mais foda que já vi.

Lembramos a todos que queiram acompanhar annaEX nas competições, no dia 10 de março se iniciará a AORUS League feminina, onde Ana jogará pelo MIBR. O primeiro confronto será contra Jaguares fem, dia 10, às 20h.

Add Comment

Meu carrinho
Seu carrinho está vazio.

Parece que você ainda não fez uma escolha.