Jogos Souls Like - Elden Ring - Overblog | Overclock

Jogos Souls Like - Elden Ring - Overblog | Overclock

Voltar

Jogos Souls Like - Elden Ring - Overblog | Overclock

Próxima

TEXTO REALIZADO COM A CONSULTORIA DE RODRIGO MELO

É muito difícil encontrar alguma pessoa com certo envolvimento na comunidade de video-games que nunca tenha ouvido falar sobre os jogos Souls Like, um gênero na indústria construído majoritariamente pela empresa japonesa From Software ao longo dos seus lançamentos. Esses jogos, apesar de serem conhecidos muitas vezes apenas pela extrema dificuldade e uma mecânica pouco amigável para novos jogadores, são considerados grandes obras-primas da história dos videogames, uma prateleira exclusiva na indústria, e cativam uma comunidade bastante apaixonada pela experiência proporcionada pelos jogos. O mais recente título da empresa japonesa, Elden Ring, teve um pico de 910 mil pessoas assistindo simultaneamente na Twitch e, mesmo depois de quase um mês de lançamento, é o jogo mais visto na plataforma.

Mas afinal, o que faz esses jogos se destacarem tanto dentre os demais? Existe, na verdade, uma grande profundidade nesses jogos: desde a história, que é contada de maneira subjetiva, permitindo que os jogadores possam tomar suas próprias interpretações e despertem o interesse pela “busca ao desconhecido”, até o multiplayer do jogo, que é construído de maneira única em cooperação, limitando os jogadores a se comunicarem apenas usando emotes, apresentando um universo ao mesmo tempo encantador, deslumbrante e opressor. 

 

Vamos agora ver um pouco mais a fundo essa “profundidade” mas, antes de mais nada, sugerimos um vídeo do canal TheActMan. O vídeo é muito bem roteirizado e editado, além de contar com legendas confiáveis em português.

A CURIOSIDADE NÃO MATA GATOS; CONSTRÓI WIKIS!

Muito da intimidação que os jogos da From Software carregam em seu nome vem da sua apresentação única de mundo e progressão de jogos.

Diferentemente de jogos populares como Legend of Zelda: Breath of the Wild, GTA e Bioshock, a série de jogos que compreende todos os lançamentos da From Software desde Dark Souls, sendo esses Dark Souls 2, Bloodborne, Sekiro, Dark souls 3 e agora Elden Ring, assustam seus players logo no começo da jornada de forma intencional.

Nos outros jogos usados como exemplo, apesar de um mundo cheio de tasks e exploração, o jogo faz questão de auxiliar o jogador com mapas, Waypoints (indicações dos lugares onde se deve realizar algo no jogo) e diversas outras assistências embutidas nas próprias mecânicas do jogo, “segurando na mão” do jogador ao longo da sua campanha. 

É nesse ponto em que a From Software propõe algo muito único e inovador nos seus universos: Não há mapas (com exceção de Elden Ring devido ao seu mundo ser bem mais extenso), Waypoints, jornais que relatam missões principais e secundárias, e exceto o tutorial que ensina basicamente os controles, o jogo te deixa sozinho, ou melhor, em suas próprias mãos. O jogador tem a liberdade para ir, essencialmente, onde quiser, experimentar a enorme variedade de armamentos e itens consumíveis. Há também interações com NPCs que muitas vezes passam despercebidos na primeira vez em que você joga, até mesmo no segundo e terceiro playthrough do jogo. Essa falta de acessibilidade, muitas vezes, é o fator responsável pela desistência de alguns players logo de início, como é o caso do que ocorreu com o mais novo título, em que no primeiro momento o jogo coloca o player diante de  um cavaleiro gigante – nada agradável.

Pode-se, porém, afirmar que em meio a todas essas adversidades nasce a sua maior ajuda no jogo: os outros jogadores. Não existe nada de errado em ficar preso por horas a fio em algum boss ou em áreas um pouco acima do seu nível nos jogos da From Software e, caso você sinta necessidade de alguma ajuda no jogo, o seu maior amigo vai ser o multiplayer, tanto direta quanto indiretamente. 

Todos os Soulsborne contam com opções de multiplayer, sendo possível até jogar a maior parte do jogo em conjunto com os seus amigos ou desconhecidos e, caso isso ainda não seja o bastante, a comunidade desses jogos produz conteúdo para facilitar a vida do player desde o lançamento do primeiro jogo: as Wikis, os canais no Youtube, os Subreddits e até mesmo as discussões no Discord entre amigos podem facilitar a sua vida no jogo. 

Essa abordagem diferente e única empregada pela From Software no multiplayer dos seus jogos, além da abertura para a comunidade criar suas próprias regras, sempre foram pontos muito fortes desses jogos, o que os tornam elogiados pela crítica. 

Então não tenha medo de procurar na internet o tutorial de um boss ou como achar alguma arma que combine com o seu personagem, e não se preocupe se algum amigo seu veterano da série vir pegar no seu pé com o clássico “get good” ou “casual player”: tenha certeza que ele já fez muito isso, assim como todos nós nessa franquia.

O PESSOAL QUE LEVA A “SÉRIO”:

A comunidade dos jogos SoulsBorne também desempenha um grande papel na parte de criação de conteúdo que foge um pouco do ar de “tutoriais” citado antes, e se abre num leque grande de possibilidades para esses jogos: desde Speedruns, que consistem basicamente em pessoas que tentam zerar o jogo o mais rápido possível em diferentes categorias (matando todos os boss ou conquistando todos os achievments, por exemplo), como a comunidade dos mods, que consiste em pessoas independentes da  From  Software com conhecimento de codagem de jogos realizando seus próprios toques nos títulos da franquia. 

Como exemplo das ações da SpeedSouls, uma comunidade especificamente focada na parte de speedrun, diversos eventos de caridade já foram realizados utilizando esses jogos como meio de arrecadação de dinheiro para causas humanitárias, como por exemplo o evento anual Charity Marathon, ou a participação dos SoulsBorne na aclamada GDQ (Games done Quick), o maior evento de Speedrun do mundo que conta com mais de 6 milhões de dólares de arrecadamento exclusivamente de doações para a luta contra o câncer e programas de Médicos sem Fronteiras(https://www.youtube.com/watch?v=37bvLh-g0Pk)


Do outro lado da moeda, existem milhares de tipos de mods, e seria até impossível mostrar ou até mesmo conhecer tudo o que é possível para uma comunidade apaixonada, então nos limitaremos a dois mods extremamente opostos: um que adiciona armas modernas e deixa a sua câmera em primeira pessoa (First Person Shooter Mod), e o outro que trabalha no sentido de adicionar conteúdo novo.

E ESSE TAL DE “ELDEN RING”?

Caso algum desses pontos levantados por nós tenha atraído um pouco da sua atenção, por que não testar o mais recente lançamento dessa consagrada empresa de jogos? Elden Ring já é uma febre dentre os grandes streamers e

youtubers, e por ser um jogo novo com aquela profundidade que só a From Software consegue desenvolver, existe um mundo de mistérios que ainda não desvendamos sobre o seu universo. 

É o maior lançamento no sentido de tamanho de universo e horas de conteúdo da franquia, além de contar com uma nova abordagem de mundo aberto nunca antes feita pela empresa japonesa. Elden Ring rendeu elogios por diversas críticas ao jogo, vivendo e superando o hype construído desde o seu anúncio na E3 de 2019. Nós aqui da Overclock recomendamos essa experiência de mais de 100 horas de jogo e esperamos encontrar você nas terras médias!

Por Megan Kirkby
0 Comentários

Leave a comment

Se inscreva na nossa newsletter